Janeiro Branco

12/01/2020 18:01 • Blog

O objetivo de conscientizar sobre a promoção e a proteção da saúde mental, através de projetos estratégicos, políticas públicas, mas também de pequenas iniciativas. 

É possível encontrar equilíbrio em meio ao caos?

Mediante o cenário econômico, guerra ao tráfico e a corrupção deslavada daqueles que deveriam promover a ordem e o progresso, garantir a segurança, direito a educação e saúde, nos sentimos desrespeitados e desmotivados.

Essa desordem externa gera uma sensação de ameaça aos direitos fundamentais do Ser humano que busca naturalmente estabilidade e segurança, para cumprir com suas responsabilidades, como prover a família, assumir compromissos financeiros e fazer planos para o futuro.

Das insatisfações e frustrações que experimentamos, exigências que nos impomos surgem sintomas como ansiedade, estresse, tristezas, medos, podendo evoluir para quadros mais graves como pânico e depressão. Resultado em parte das contrariedades que sentimos e das tentativas frustradas de controlar a vida. 

Os conflitos (pessoais, conjugais, crises de relacionamento familiar, profissional), além das perdas constantes que sentimos, fazem parte da vida, são inevitáveis.

Quantas vezes nos últimos tempos sentiu-se assim?

NÂO AGUENTO MAIS!
NÂO ESTOU DANDO CONTA!
ESTOU SEM FORÇA/CANSADA(O) DEMAIS!

Pensou e/ou pediu ajuda? Se não, por que não? 

As pessoas não são obrigadas a perceberem que precisamos de ajuda se não dissermos, como nós, também estão meio perdidas em meio ao caos que se instalou dentro e fora delas.

É preciso ir além dos rompantes da raiva, agressividade e reações desastrosas quando não compactuam com os nossos desejos e opiniões, devemos buscar entender o que cada situação difícil tem a nos dizer e descobrir como lidar com ela.

Talvez a solução seja abrir um espaço urgente na agenda e fazer uma imersão nos próprios desassossegos, reconhecer suas fragilidades, acolher e respeitar suas limitações, antes de estabelecer metas inatingíveis para 2020.

Deixar de ser o super-herói ou heroína da história, para ser só mais um Ser humano possível com erros e acertos, alegrias e dores, seria uma forma de se proteger e se autocuidar. Estar saudável mentalmente não quer dizer ausência total de problemas ou afecções, mas ter a capacidade de administrar as dificuldades, buscar saída ou um novo sentido para vida, todas as vezes que parecer ser o fim.

Se não der conta sozinho, tudo bem! Nascemos cada um com um dom mesmo, para colocá-lo a serviço. Busque amparo, ajuda, um padre, pastor, médico, psicólogo ou um bom amigo, mas busque!

O importante é falar sem receio dos sentimentos, isso facilita o autoconhecimento, a percepção de si mesmo e do outro e consequentemente a ajuda mútua.

Fica a dica.

Patricia Mesquita
Psicóloga – CRP 05/17582

Publicidade: